domingo, 1 de setembro de 2013

Tokyo diaries - Day 2

On my second day here in Tokyo, waking up on the other side of the world is not a joke. First you have that weird sensation of not knowing where you are as soon as you open your eyes, which is followed by a huge smile spreading across your face because of the realisation of what is happening, and lastly, by the crazy tiredness and sleepy feeling.
As I came straight from London, I only had (only!) 7 hours of difference in time, and not the 12 hours that it is from Brazil (thanks God!). But even though I was blessed with 4 hours less, it is still difficult to get used to it, and I've been having sudden blackouts of sleep in the middle of the tube, which is definitely weird.

I started my day with the good and cheap 7 Eleven, one of the many "combini" stores in Tokyo. "Combinis" are convenience stores that sell everything and more, and have a great selection of food and drinks, and all for a very cheap price (that's what we like!!!). So it has been there that I've started all my days, usually with an amazing peach yogurt (which has the cutest pink package ever), cold green tea and onigiri. Onigiri is a little ball of rice wrapped in seaweed and sometimes with fillings such as tuna or vegetables, delicious. So I enjoyed my first breakfast in Tokyo eating great japanese food while people watching. The japanese are so interesting to watch, they are peculiar and incredibly interesting, and most of the times super stylish. 
Shortly after finishing my food, I found a drugstore and spent some time having fun discovering different and sometimes weird products (placenta to drink anyone?). The video bellow is from a little screen that was placed in front of a medicine to lose weight. Apparently they don't want to be like the chubby anime girl. 
Walking further more, I found a nail place that looked super cute and decided to go in to ask about the styles and prices. It was an adventure to try to speak japanese with the girls, but extremely funny, we definitely had fun.
I then met my friend Rodrigo, with whom I'm staying with, met his work colleagues and went to another gastronomic adventure.

Ron Herman is a lifestyle store in Sendagaya, Shibuya, with many ambients. They have a design and home decoration store just in the first room, a hallway full of surfboards, a small clothing store and a very cute mini restaurant and cafe, where we went to eat. We had a salad with an amazing quiche, in a wood table with mismatching chairs. Some written messages were left in the walls, such as "Thank you for stopping here on your journey to happiness", which I thought it was a cute detail to ad to the place. Surrounded by plants and shelfs with books, the atmosphere was cool and relaxed.

After lunch, we met Tomoko, Rodrigo's japanese friend, to experience one of the best coffees in the world,  Coffee Ten-Irukaya, a menu full of exclusive flavours and recipes by Hiroshi Kiyota, a super cute and lovely japanese guy that studied the art of coffee meticulously until he found perfection. Which he did. 
After travelling around 20 minutes outside Tokyo to Mitaka City, we found a hidden place with no apparent signalisation of a coffee shop. A wood door opened, and he received us with immense warmth into his small space, which had a bar, four chairs and was lighten with low light. He asked us to remove our shoes, japanese custom a little forgotten in Tokyo. Kiyota recited the menu with enthusiasm, and said that the coffee with lemon was a popular request. I chose this one warm, Rodrigo chose it cold, and Tomoko chose a meticulously made simple cup of coffee. 
The experience of watching him was already interesting, while talking to us and answering our thousands of questions, all translated by Tomoko, he was moving fast around the room, warming water, pressing coffee and mixing things. He kindly asked us to give him a moment of concentration when preparing the coffee, which took from 10 to 20 minutes each. 
And it's worth the wait. He brought mine first, in a round small plate and told me to drink it holding with my two hands, like tea, and drink the liquid underneath the foam first, and then the foam with a little spoon. Heavens on earth. Music to my tongue and bells were ringing when I tasted the liquid. It was an incredible combination of the bitter flavour of a good and strong coffee and the interesting nuances of lemon. It was thick, sweet and delicious, probably the best liquid I've ever tasted in my life, and definitely the best coffee I've ever had. Rodrigo's came in a tall wine glass, and was equally amazing, as well as Tomoko's. We couldn't resist and ordered another one, this time a cup of coffee with milk and rum, which was a perfect finish to this amazing experience, equally good, interesting and delicate flavour with a touch of sweet rum. Kiyota was a great coffee master and host, always treating us with sympathy and explaining everything with great enthusiasm, you could see he really loved what he was doing. And as the room was only for us three, the experience felt even more special. I didn't want to go, and wanted to have at least 300 more cups of coffee. It was such an amazing experience! We left Kiyota-san with lots of bows and Domo Arigato Gozaimass (thank you very much indeed), and sure we would never forget him or this amazing experience.

We went back to Tokyo and had a great dinner at the pizza place Da Isa
After that, we went to Daikanyama in Shibuya, to Tsutaya Books, which has the greatest selection of books in Tokyo, including magazines from all over the world. I found Indie there, but it was the last issue, not the one with my editorial. I also found Soen, a japanese cult fashion magazine with the most beautiful covers, which I discovered in Claudia Sarmento's blog for a Brazilian newspaper. I discovered IMA, a japanese photography magazine with great images, and Ruby Paper, another japanese fashion magazine very similar to Soen.
They also had a really interesting second floor, with a bar and small exhibitions of sculptures and past editions of old magazines, all displayed in shelfs around the room.

Well, this was the second day in my Tokyo adventure, hope you liked it, and see you soon!
xx

---

No segundo dia da minha chagada à Tóquio  acordar sabendo que você está no outro lado do mundo não é brincadeira. Primeiro vêm uma sensação estranha, de por um segundo não se saber onde está. Logo depois essa sensação se transforma em um sorriso bobo ao perceber a realidade, e depois vem aquele sono louco.
Como estava morando em Londres antes de vir para Tóquio  só tinha 7 horas (só, imagina!) de diferença de fuso horário, e não as 12 horas em relação ao Brasil (ainda bem). Mesmo assim ainda está sendo difícil me acostumar (mesmo já estando no meu quinto dia aqui), a ponto de no meio do dia ter pequenos apagões loucos no metro.
Mas isso não iria me impedir de maneira alguma de aproveitar a cidade, com sono ou sem sono eu vou sair.

Comecei o dia com o bom e barato 7 Eleven, uma das muitas redes de "combinis" aqui em Tóquio  "Combinis" são lojas de conveniência, com comida, produtos de beleza, guarda-chuva, bandaids, etc etc. Itens úteis e baratos disponíveis até tarde da noite. Bom, então é por lá que eu tenho começado as minhas manhãs. Como era minha primeira vez sozinha nessa loja, passei um bom tempo para escolher o que queria, e no final acabei escolhendo um iogurte de pêssego com uma embalagem linda (motivo pelo qual me fez escolher esse iorgurte em específico), uma garrafa de chá verde gelado e um "onigiri" de atum. Para mim os onigiris estão sendo a salvação dos meus dias no Japão. São pequenos bolinhos de arroz japonês com recheios diferentes, e uma faixa de alga. Uma delícia e super baratinhos. Curti meu café da manhã olhando as pessoas passarem, algo que adoro aqui em Tóquio  Todos são tão interessantes e peculiares, que eu poderia passar horas só os observando. Depois, caminhei até uma farmácia e me diverti com embalagens e produtos (placenta para beber foi um deles!) que descobri, além dos comerciais que apresentam em uma mini tela na frente de alguns produtos (como esse vídeo abaixo, de um remédio para emagrecer, bem populares aqui no Japão). Também descobri um salão só de unhas, e curiosa entrei para conversar com as manicures. Já podem imaginar como foi engraçada a cena! Eu tentando falar em japonês, elas fazendo mímica, super divertido! Consegui sobreviver e logo depois parti rumo ao trabalho do meu amigo, Rodrigo, que está me hospedando aqui em Tóquio  Nos encontramos, conheci seus colegas de trabalho que são todos uns amores e depois partimos rumo a mais uma maravilha gastronômica.

O Ron Herman é uma daquelas lojas que eu chamo de "lifestyle stores". Situada no bairro de Sendagaya, Shibuya, possui produtos de casa, roupas, um café e um restaurante.  Assim que se entra na loja, a sua direita está a parte de decoração, que mistura de tudo e mais um pouco. De cadeiras a letras de metal, a Ron Herman oferece uma seleção colorida e cheia de bom gosto, dando foco aos materiais e texturas das peças.
Logo à esquerda, você segue por um corredor repleto de pranchas de surfe e uma mini seção de roupas, que logo se desemboca em um café super fofo, que tem um espaço repleto de mesas de madeira e cadeiras não combinando. Há uma bancada com saladas, quiches e doces, e do lado um stand de café. Pedimos uma salada e uma quiche, ambas deliciosas. Sentamos em uma sala bem legal, que estava decorada com plantas e estantes de livros como o da Carine Roitfield. Na abertura para a outra sala do café, uma mensagem fofa estava estampada no topo da parece: "Thank you for stopping here on your journey to happiness". Detalhe super fofo.

Logo depois, fomos encontrar uma amiga japonesa do Rodrigo, a Tomoko para ir fazer um programa bem especial: tomar café. Mas calma, não é qualquer café, é o Coffee Ten-Irukaya, um café gourmet e super especial feito pelas mãos do incrível Hiroshi Kiyota, um japonês super fofo e gentil que estudou a arte de fazer café meticulosamente até encontrar pontos de perfeição. Como ele não falava inglês, a Tomoko foi nossa tradutora do dia. Pegamos um trem da estação de Shibuya em direção a Mitaka City, nas aforas de Tóquio.
Ao chegar na cidade, andamos por um parque lindo à beira do rio, e depois entramos na cidade, que era calma e silenciosa. Seguindo as instruções do Kiyota, encontramos uma porta marrom pertencente a uma fachada branca super simples. Não parecia que estávamos no lugar certo, não tinha absolutamente nenhuma indicação de uma cafeteria. Hiroshi nos recebeu com um super sorriso, e assim que entramos no pequeno espaço que era a cafeteria, nos pediu para tirar os sapatos, um costume japonês raro em Tóquio.
A sala estava ambientada com uma luz baixa produzida por três lâmpadas de metal, e um balcão de bar com quatro cadeiras. Ele nos sentou nos bancos e recitou o pequeno menu de opções com extrema animação. Dentre elas havia café com limão quente (meu pedido), café com limão frio (pedido do Rodrigo) e café normal meio amargo (pedido da Tomoko).
A espera de preparação de cada café é de 10 a 20 minutos, por isso tínhamos um tempo de 2 horas reservado para ficarmos no local. Kiyota foi um amor em aceitar um grupo de 3 pessoas, onde geralmente ele aceita apenas 2 pessoas por grupo, e atende dois grupos por vez. Então a experiência já estava sendo duplamente especial por estarmos sendo atendidos em exclusivo.
No tempo de espera por nossos cafés, como todo brasileiro (e a Tomoko já é quase brasileira também), fizemos várias perguntas e não parávamos de conversar com o pobre do Kiyota, que estava de lá para cá preparando o primeiro café, um espetáculo de ações e gestos meticulosos. Ele teve que nos pedir um momento para se concentrar na preparação, pois estávamos falando muito, mas sempre com imensa gentileza e educação.
O primeiro café foi o meu, servido em uma cuia de cerâmica. Ele me deu instruções de tomar como chá, segurando com as duas mãos, e tomar primeiro o líquido de baixo e depois a espuma. Assim o fiz. Subi ás alturas e voltei a Terra. Minhas papilas gustativas, como diria a minha mãe, se aguçaram com um sabor incrivelmente preciso, uma fusão perfeita do gosto do café com o limão. O líquido era cremoso e delicado, e a espuma, que tomei separadamente com uma colher, firme e interessante. Demorei para terminar, pois queria prolongar aquele prazer o máximo possível. A cada gole me emocionava. Explicações não chegam aos pés da sensação que tive ao tomar esse café.
A escolha do Rodrigo, de café com limão frio, veio em uma taça bem arredondada de vinho e estava igualmente deliciosa. Já a escolha da Tomoko, um café meticulosamente preparado, foi interessante pois recém feito tinha um gosto mais doce e suave, e depois de 20 minutos que Kiyota nos pediu para esperar para acentuar o sabor, já passou a ser forte e robusto. Incríveis criações exclusivas do Kiyota, que mistura diferentes cafés do mundo todo para chegar à perfeição.
Não resistimos e pedimos outro para dividir. Dessa vez era café com leite e rum Okinawa. Kiyota foi novamente um doce e dividiu em três recipientes, fazendo um pouco mais da receita normal para provarmos os três. Ao provar o líquido, tive a sensação de que era música para a minha língua. Essa escolha foi perfeita para finalizar a experiência, nos deixando com um toque suave de café alcoolizado no paladar. Saímos de lá felizes e muito agradecidos, trocando muitos Domo Arigato Gozaimass (uma espécie de muito obrigada de verdade) e reverências (costume japonês de respeito e agradecimento) para o agora queridíssimo Kiyota-san. Realmente uma experiência inesquecível e extremamente especial que nunca irei esquecer, e que deixará meu paladar mais rígido ao provar qualquer outro café.

Voltamos então para Tóquio e fomos jantar em uma pizzaria chamada Da Isa, uma delícia!

Para finalizar o dia, demos uma passada na livraria mais cool de Tóquio  a Tsutaya Books, que fica em Daikanyama, em Shibuya, e possui trilhões de livros e revistas, desde design até matemática. No segundo andar há um bar e restaurante super agradável, rodeado por estantes com peças de coleção, e edições antigas de revistas, entre elas a revista Elle francesa e americana. Lá encontrei várias revistas interessantes, inclusive a Soen, revista cult de moda jovem que descobri no blog da Claudia Sarmento, do caderno Ela. Adoro a Soen e suas capas esteticamente interessantes, pena que não entendo nada!
Lá também se pode encontrar quase todas as revistas internacionais, inclusive as independentes inglesas, e entre elas a Indie, cuja qual produzi um dos meus mais recentes editoriais inspirado em moda harajuku! Pena que a edição que tinha para venda era a edição passada, mas fico feliz em saber que eles a vendem na Tsutaya. Também descobri uma revista super legal de fotografia, chamada IMA, e a Ruby Paper, mais ou menos do estilo da Soen.

Bom, por hoje é isso! Espero que estejam gostando das minhas aventuras em Tóquio!
Beijos!

Iced tea selection at 7 Eleven 


Onigiri forever

Edamame in a bag!


Heaven of yogurts

Best breakfast ever


 Kawaii hair

video
In the drugstore


Watarium Museum









Weird residential building




Hi-tech metro directions

Japan is full of japanese people

 Arriving at Mitaka Station

Coming out from the station







Pink house from Mitaka City

My coffee with lemon

A step of the magical process

Us happy in coffee heaven


Kiyota!

Little cloths que Kiyota used to put underneath the cups

Nice picture outside a hair saloon

Tsutaya Books store

IMA photography magazine 


Ruby Paper magazine 


Bar counter made of books

Great lamp idea

2 comentários:

  1. Viajei e me senti em Tokyo..incrível e profundamente encantada ..afinal conhecer o outro lado do mundo sem sair de casa através da sua visão e experiência é O MÁXIMO . Obrigada

    ResponderExcluir
  2. As lojas de Tóquio sáo fabulosas! Adorei Mitaka City! E o que deve ser esse café?!! Ai, que vontade de tomar um café bom! E feito de old way: água na chaleira!! Nada de tecnologias e máquinas... quem diria. Lindas cadeiras de plásticos, parecidas com as que minha tia tinha na varanda. Tudo perfeito, lindo, fabuloso, as revistas, as fotos, seu texto. Lindo, lindo! Muita saudade de Tóquio, do Rodri, de vocë.

    ResponderExcluir